Secretarias e Órgãos

Acesso Rápido

Do que você precisa?
Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial
Com apoio da Funcap, pesquisadores de laboratório da UFC desenvolvem tecnologia nacional para monitoramento dos oceanos PDF Imprimir E-mail
Seg, 14 de Agosto de 2017 10:50

Historicamente, o senso comum elegeu, no Brasil, a Amazônia como o grande “pulmão” do país, em relação à absorção de gás carbônico e produção de oxigênio. No entanto, uma área igualmente importante do território nacional para esta tarefa só recentemente, há cerca uma década, tem recebido mais atenção da sociedade e da ciência: a imensa zona costeira, denominada de Amazônia Azul, cuja extensão oficial chega a aproximadamente 700 mil km².

Assim como as plantas terrestres, a flora oceânica (formada pelo fitoplâncton e por microorganismos como o bacterioplâncton, espécies flutuantes na coluna de água marinha) são componentes essenciais para a retirada de gás carbônico (CO2) da atmosfera do planeta. E no Brasil, de acordo com a professora Rozane Valente Marins, coordenadora do grupo de Biogeoquímica Costeira do Instituto de Ciências do Mar da Universidade Federal do Ceará (Labomar/UFC), ainda há pouco conhecimento sobre a capacidade destes organismos retirarem CO2 da atmosfera na zona costeira do país.

A pesquisadora lidera um projeto que tem como principal objetivo amenizar os efeitos de duas deficiências principais existentes no acompanhamento do fluxo de CO2 (gás carbônico) do litoral brasileiro: a pouca quantidade de equipes para fazer a medição e a inexistência de tecnologias nacionais (programas de computador específicos e aparelhos) que possam ser usados na tarefa. O trabalho conta com o apoio da Funcap através do edital Pronex.

“Estima-se que haja em torno de quatro equipes fazendo o trabalho de monitoramento de absorção de CO2 na região costeira em todo o Brasil”, explica a professora, ressaltando que uma dessas equipes é a dos pesquisadores e profissionais do Labomar. Segundo ela, entre  as dificuldades para aumentar o alcance do trabalho está o equipamento usado nas medições. Como não existem produtos nacionais, há forte dependência de indústrias e técnicos estrangeiros. 

Por isso, o projeto do Labomar, iniciado há aproximadamente três anos, tem como um dos principais objetivos desenvolver uma tecnologia nacional que, além de tornar o trabalho de monitoramento mais ágil, irá possibilitar uma redução significativa de custos com manutenção e assessoramento técnico. A professora lembra que os aparelhos e softwares usados pelo equipe do Labomar, antes do início do projeto, eram todos fabricados na França. 

Com esse tipo de aparelho importado, quando acontece algum problema, é preciso enviá-lo para a região Sudeste, onde há técnicos para resolver, ou trazer um profissional para o Ceará. O gasto médio com uma operação dessas fica em torno de 10 mil reais. “Em alguns casos, é preciso mandar sondas para fora do Brasil, porque mesmo no Sudeste não há técnicos capacitados. Aí o custo sobe para 10 mil dólares”, afirma a professora.

O projeto já permitiu avanços. Um dos mais importantes, lembra Rozane, é que o equipamento francês vinha em vários módulos que precisavam ser montados no barco a cada viagem de monitoramento. O trabalho dos pesquisadores do Labomar, desenvolvido em parceria com a empresa Owen Engenharia de Automação, permitiu que eles fossem agrupados em um único rack. Isso eliminou a necessidade de um técnico para fazer a montagem (os módulos têm uma sequência específica de ligação, que demanda um profissional habilitado). 

“Como o aparelho é encapsulado, só precisa de um técnico em mecatrônica para trocar algum componente”, afirma Rozane. Ela lembra, ainda, que outro benefício trazido pelo projeto é o acompanhamento, feito pela Owen, do funcionamento dos módulos. Caso algum apresente problema, o sistema da empresa detecta automaticamente e informa o que precisa ser trocado, facilitando o trabalho técnico. O acondicionamento dos módulos em rack único trouxe ainda uma vantagem: a robustez, já que os deixou mais protegidos contra os efeitos corrosivos da salinidade do ambiente marinho.

Até a conclusão do projeto, prevista para 2019, a expectativa é obter um índice de 40% de nacionalização para os equipamentos e de 100% para os softwares que eles executam. Mas Rozane ressalta que a dependência dos técnicos franceses já diminuiu consideravelmente. “A interpretação dos dados também foi outro aprendizado”, acrescenta ela. Os pesquisadores passaram a buscar, com ajuda do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), outro parceiro no projeto, critérios matemáticos mais rígidos, para precisar menos de operadores na execução da tarefa. 

A equipe responsável pelo projeto acredita que a produção de um aparelho com componentes nacionais e a configuração em ambiente de hardware gratuito irão favorecer a comercialização do equipamento e o maior uso por pesquisadores nacionais. De acordo com Ítalo Loiola, diretor de projetos da Owen, a expectativa é de que um equipamento pronto para comercialização esteja no mercado até o fim de 2018.

Monitoramento é essencial para o meio ambiente
As medições que o aparelho desenvolvido pelo Labomar permite, têm relação com um grande conjunto de fatores e podem ajudar a melhorar o controle ambiental no Brasil de forma bastante abrangente. A professora explica que quando não havia alterações no fluxo do gás carbônico, havia um equilíbrio entre o gás encontrado na atmosfera e o que era absorvido pelos oceanos. 

“Por conta das atividades antrópicas, como a queima de combustíveis fósseis, as emissões de CO2 aumentaram significativamente. Hoje, tem-se uma concentração de CO2 chegando a mais de 400 ppm, um nível que está acima dos valores que existiam na era pré-industrialização, que eram de 300 ppm, em média”, afirma. Essa maior concentração tem como resultado o aumento da absorção, por parte dos oceanos, causando efeitos como acidificação na água, o que altera a vida da fauna e da flora marinhas.

Através do monitoramento do fluxo de CO2 também é possível contribuir para a avaliação dos efeitos da ação humana sobre os rios. “As descargas de rios e os efeitos das atividades relacionadas com a emissão de nutrientes que ocorre nas regiões costeiras podem alterar os balanços de carbono nessas regiões”, informa a professora. É necessário, portanto, monitorar para saber o que realmente acontece e como essas atividades estão afetando a capacidade de absorção de CO2 no litoral.

 

Calendário

Novembro 2017
D 2a 3a 4a 5a 6a S
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2